O nosso grande campeão TOPAD foi derrubado pela morte

O nosso grande campeão TOPAD foi derrubado pela morte

Partilhar com amigos

António da Cruz “ TOPAD”  o nosso navegador, o homem que vencia as marés, que não tinha medo de atravessar os oceanos, que era um grande campeão, não conseguiu hoje derrubar a morte.

Ontem à tarde foi surpreendido por um AVC e foi operado duas vezes ao cérebro mas não resistiu e esta tarde Titino um amigo de peito disse ao Sportsmídia infelizmente o nosso TOPAD faleceu esta tarde. Notícia triste de um homem que desafiou a morte várias vezes fazendo grandes travessias por este mar fora. Ele chegou a confidenciar-me que desde miúdo que fazia tudo para desafiar as grandes ondas, os grandes obstáculos no mar, porque ele cresceu junto ao mar que tinha que morrer no mar. Mas o destino assim não quis e ele desde ontem à tarde estava a lutar numa cama do hospital, mas infelizmente para todos os cabo-verdianos, desta vez o nosso grande campeão foi derrubado pela morte. O homem que passou 25 dias no mar alto sem comida e bebida numa travessia França-Brasil, mesmo assim não teve medo de voltar ao mar, ficando sim um pouco receoso por causa do nascimento das duas filhas gêmeas.

Homem de fácil trato, TOPAD fazia de tudo para ajudar os mais carenciados, porque ele nos dizia sempre que criou debaixo de grandes dificuldades, e, dizia que mesmo sem apoio tinha orgulho em representar Cabo Verde.

O quadro clínico era complicado e o médico assistente já tinha avisado a mulher que a situação dele era muito delicada e aguardavam qualquer reacção, para que ele fosse operado ao coração, pois, mas infelizmente tudo reagia negativamente.

Na sua última prova ele teve um acidente, mas conseguiu superar mais esta adversidade. TOPAD, homem do mar, um grande campeão que hoje deixou-nos para sempre.

A Sports Mídia Limitada deseja a família condolências e consolação por esta perda irreparável.

Um adeus especial ao nosso grande Campeão TOPAD, que competia sempre com a bandeira de Cabo Verde porque tinha orgulho de ser crioulo, o tal navegador que cruzou oceanos, mas hoje não conseguiu driblar a morte.

Como recordação fica a tua última passagem pela tua ilha que amavas e que parava sempre para admirar o cais de Alfândega onde aprendeu a gostar do mar.

SPORTSMÍDIA

Partilhar com amigos

Comentários

comentarios

Leave a Comment

(required)

(required)

five × four =