Modelo do Nacional que arrancou hoje foi testado há duas décadas

Partilhar com amigos

A distribuição das equipas por três grupos, modelo adotado para o Nacional 2017 que arrancou hoje (13) havia sido usada duas vezes na década de noventa.

A novidade deste ano está na introdução de mais uma volta, passando os clubes a jogarem na primeira fase, três partidas em casa e e o mesmo número fora.

Com isso, para se ser campeão e vice-campeão é preciso disputar dez partidas, no mínimo novecentos minutos de jogo. No modelo anterior o máximo de jogos era nove.

Outra diferença está no número de clubes, em 95 e 96 participaram, nove campeões regionais, neste ano participam onze regiões desportivas mais o campeão que vai defender o título.

Em 1995, sagrou-se campeão, o Boavista da Praia de Fefa, Henrique, Nelo Tambarina, Zé Piguita, Mustapha, Valódia, Côtchi, Calú di Brava, Branco, Tchoriss, Zazano, Nelo Sança, Cole, Capuz, Pina e José Jorge e que era treinado pelos irmãos, Inácio Carvalho (Bala) e Raulinho.

No ano seguinte, o título foi conquistado pelo Travadores de Arlindo, Capuz, Torresma, Ká, Nico, Djiby, Né, Mário Pop, Tazinho, Caló, Zé di Loja, Lemos, Toy, Tilá, Bob e Baresi que era dirigido pela dupla técnica Óscar Duarte e Mário Moreira (Humaitá).

Partilhar com amigos

Comentários

comentarios

Leave a Comment

(required)

(required)

4 × two =