Francisco Carapinha um Pinéu que dá cartas no Xadrez Mundial por Correspondência

Francisco Carapinha um Pinéu que dá cartas no Xadrez Mundial por Correspondência

Partilhar com amigos

O xadrezista Francisco Carapinha actual presidente da Federação Cabo-Verdiana de Xadrez, é natural de Ulme, Concelho de Chamusca, é um autodidacta, vive em Cabo Verde, pois, aos 39 anos como namorava com uma cabo-verdiana e com quem casou em 2001, apostou em viver no arquipélago, e, é  de nível internacional.

Esse xadrezista esteve ao serviço da selecção de Xadrez de Cabo Verde, e empatou com Tunç Hamarat, o 16º campeão Mundial de Xadrez por correspondência, num jogo a contar para fase preliminar da 20ª Olimpíada de Xadrez por correspondência, ou seja, entre enxadristas localizados em pontos distantes do globo, originalmente por meio de cartas e cartões-postais, nos quais era utilizada um tipo especial de notação de partidas denominado Notação Epistolar, e que hoje já ganhou uma nova dinâmica.

Em Portugal praticou essa modalidade no Centro Desportivo e Juvenil de Ulme e no grupo de Xadrez de Santarém, colectividades que já foram extintas. Mas daí que adquiriu os ensinamentos que lhe permitiram a ser o capitão da Selecção de Cabo Verde, onde se bateu com alguns dos melhores xadrezistas mundiais.

A Sportsmídia sabe que apareceu no xadrez de uma forma insólita, pois, no dia que completou 12 anos de idade ofereceram-lhe um perfume que trazia como oferta um mini-jogo de xadrez e também uma pequena resenha das regras de jogo.

Com o apoio da Direcção Geral dos Desportos em Portugal fundou a secção de Xadrez do Centro Juvenil do Ulme e criando outros núcleos, tendo sido responsável pela implementação da modalidade no Concelho de Santarém, chegando a ter cerca de 2.000 miúdos a participar e a aprender.

Em 2008 organizou o Festival de Xadrez trazendo a São Vicente o então campeão de Portugal, que já não via há muitos anos, e, isso foi a rampa de lançamento que serviu para despertar o Xadrez na ilha do Porto Grande.

Em 2010 Carapinha conseguiu que Cabo Verde fosse aceite como membro afiliado ( sem voto no Congresso e sem poder participar nas Olimpíadas de Xadrez na ICCF- Internacional Correspondence Chess Federation ).

Fruto da sua insistência também conseguiu que a Selecção de Cabo Verde participasse nas 20ª Olimpíadas de Xadrez por Correspondência e que este ano fosse aceite como membro de pleno direito.

Por decisão dos restantes membros directivos, ele tem sido o capitão de todas as selecções de Cabo Verde de Xadrez e por convite do director da Zona 4 da ICCF, Carapinha é o capitão de uma selecção de África-Ásia que está a disputar o 7º interzonal ( uma espécie de Taça das Confederações ).

O empate com o campeão do mundo foi sem dúvida o ponto mais alto da carreira de Francisco Carapinha, e o próprio defendeu que um país pequeno e pobre conseguir que um jogador ao serviço de uma sua selecção empate com um campeão do mundo é formidável, asseverou esse xadrezista.

Francisco Carapinha assume que é difícil regressar definitivamente a Portugal, pois, tem a sua vida organizada em São Vicente, os seus negócios e interesses, mas vai adiantando que nunca dirá que # desta água não beberei #.

SPORTSMÍDIA

 

Partilhar com amigos

Comentários

comentarios

Leave a Comment

(required)

(required)

6 + 14 =